Trabalho a várias mãos

foto: jornaldenegocios.pt

Toda a desobediência é sinal de vida

Alexandra Lucas Coelho, in ao deus dará

 

Manuel Carvalho escreve no jornal Público (17.08.23) que sorrateiramente, nas férias grandes, entre o prazer do sol e o drama dos incêndios, o Governo andou entretido a urdir o mais consistente plano de ataque às liberdades públicas fundamentais dos últimos anos. Fielmente ajudado pelo CDS e pelo PSD, avalizado pela aura presidencial e pelo prestígio do constitucionalista Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo não se deu por satisfeito ao autorizar o acesso dos serviços secretos ao cruzamento do rasto das nossas conversas telefónicas com as portagens que passamos ou com os sites da internet que visitamos.

Estão a ver, senhores do PCP e do BE, como funcionam as coisas com o governo do senhor Costa – que, pasme-se!, já alguém anda a vender como próximo presidente da República.

Ah! Quem leu a entrevista que o senhor Costa concedeu ao semanário Expresso (E, 17.08.19) ou não entendeu ou viu logo que fica claro que a geringonça é para destruir e logo que Pedro Passos Coelho seja enterrado tudo será diferente.

Queridos senhores do BE, dos Verdes e do PCP gostei da vossa coragem. Aconteceram algumas boas mudanças – obrigado pela vossa ousadia. Mas agora, não duvidem – e não duvidam, tenho a certeza – o vosso tempo na geringonça acabou.

Anúncios

Uma questão de queda

O vereador Freitas propões também a declaração de que em nenhum caso fossem os vereadores recolhidos ao asilo doa alienados.

Machado de Assis in O Alienista

 

Está o PSD a tornar-se um partido racista e xenófobo?

É a pergunta que Cristina Figueiredo coloca no semanário Expresso na sua edição de hoje.

Não espanta, por isso, que Pedro Passos Coelho esteja nos BAIXOS daquele semanário.

Como estará na cotação dos portugueses?

 

 

Há verdades e a realidade

O PCP é historicamente um defensor do princípio “os ricos que paguem a crise” e também por isso o temos visto tão ativo na defesa do novo adicional do IMI (um imposto, por acaso sugerido pelo BE, que afeta os detentores de património imobiliário com um valor superior a 600 mil euros). Mas isso é o PCP, partido da luta de classes. Porque o PCP, proprietário é igual a todos os outros e queixa-se do volume de impostos que tem de pagar de cada vez que compra ou aliena um dos seus bens.

Gente, Expresso, 17.08.12

É tempo de voltar para trás?

Amar na dor e na desgraça é a lei suprema da vida.

Raul Brandão, in O pobre de pedir

 

Há um relatório da ONU – completamente indignado que me sinto como português, caramba! – que diz que as condições no Bairro da Torre, “são condições que ninguém espera ver em lado nenhum”.

Bairro da Torre? Onde é que é isso?

Ah! Em Loures. Portugal. “Um dos casos mais graves de falta de condições de vida em Portugal”.

E o que se passa? Vive-se na escuridão total. “Tanto faz ser de dia ou de noite”.

Aconselho leitura do trabalho de Joana Pereira Bastos, no semanário Expresso (17.07.22)

 

Uma personalidade excessiva

A seriedade para o palhaço é a sua própria palhaçada, com ela realiza todos os atos da sua existência.

Virgilio Piñera, in O grande Baro e outras histórias

 

Os políticos são todos iguais?

Fico, quase sempre, com essa impressão. E então quando se trata de poupar um-qualquer-golpe, sim, são exatamente iguais. Estejam onde estiverem. Joguem em que tabuleiro jogarem.

Se houver qualquer dúvida sob este ponto de vista aconselho – vivamente – a leitura do trabalho que Sofia Rodrigues assina na página 10 do jornal Público do passado 14.

Só para aguçar o apetite vinco o título do texto que a jornalista publica: Rio diz que o PSD “está pior”, mas recusa falar de liderança até às autárquicas”.

Será preciso dizer mais alguma coisa ou é claro que o que Rui Rio quer é mesmo o que certos animais esperam de algumas árvores: que o fruto caia de poder?

Há animais assim, podem crer!

 

Mapa de identidade

Foto: esquerda.net

Cair numa cilada é algo que é improvável.

Virgilio Piñera, in O grande Baro e outras histórias

 

Olha, olha! O Bloco de Esquerda (BE) igualzinho ao PS do senhor Costa!

Tal e qual! Com a agravante de que os “convites” bloquistas são tremendamente desoladores; quiçá iguais aos do PS do senhor Costa.

Não percebe, as minhas palavras?

Pois então eu explico; é muito simples: Domicilia Costa, uma deputada eleita nas listas do BE para a Assembleia da República (AR) – que habitualmente se sentava de forma discreta bem atrás da bancada bloquista no parlamento português – foi convidada a abandonar a AR. Caramba!

Por quem?

Pelos senhores do BE.

Porquê?

Ora, ora!, dizem os senhores do BE que a senhora deputada teria que dizer que por mero “cansaço”, isto é, estava cansada.

Coitada da deputada bloquista e doméstica! Seria por causa da sua idade; 71 anos?

Uma coisa é certa: Domicilia Costa, ela própria a provar o veneno de um bloco que aprendeu depressa – bem depressa; perigosamente depressa, caramba! – como se usam as forças pelos corredores do poder.