Filhos da puta; nem um pingo de inocência

O mundo está esquisito e observamo-lo, analisamo-lo

José Mário Branco, E, 18.06.16

 

Há comerciantes racistas, xenófobos ou, sei lá que mais, por aí; até dói!

Com a calma que só as férias permitem, vi tanta estupidez, tanto sapo à porta de lojas e tanta falta de gosto no (chamado) comércio tradicional que desisti de defender os racistas do comércio local. E nem precisei de sair da cidade de Guimarães. Com gente parva desta dimensão alguém pensa que o comércio local vai longe?

Ah!, também não vou endeusar as grandes superfícies – desde logo, pelos exageros promocionais enganadores, mas nunca vi por ali parvoíces vestidas de sapos parvos e verdes à porta.

Anúncios

Geometria de relações

foto: portuguese-american-journal.com

Nenhuma guerra é comparável à pior das crises, sabendo bem que, no nosso país, atravessamos um período muito difícil, mas que não impediu que desistíssemos de afirmar a nossa solidariedade.

Jorge Sampaio, Igreja Viva, 18.07.12

Preocupação com o ordenamento do território?

Os séculos anteriores seriam entediantes e agora, sim, acontecem coisas! Eis o que dirá o contemporâneo fascinado com o seu próprio tempo.

Gonçalo M. Tavares, Expresso, 18.06.30

 

1. O prédio que se agiganta hoje, visivelmente nas barbas do vetusto Mosteiro da Costa é um atentado à paisagem e ao cuidado dos vários planos que Guimarães urdiu pacientemente ao longo de décadas e que lhe deram até hoje um urbanismo aceitável, li, na edição do dia 4 de julho do semanário O Comércio de Guimarães, estas palavras intensas e cheias de eufemismos do líder da Muralha.

2. Rui Vítor Costa tem razão.

3. Mas para um cidadão (do meu tipo) distante dos dislates vimaranenses, fica uma dúvida – do tamanho do mosteiro da Costa – há quanto tempo foi licenciada aquela obra? Num tempo em que já existia a associação de defesa do património de Guimarães; certo?

4. Sim, senhor presidente da Muralha, a construção que cresce – tapando uma visão do mosteiro, “obstrói a visão da pousada”, principalmente a partir de uma linha reta traçada a partir da rua dr. José Sampaio e é – estamos de acordo – “um erro tão assustador e desnecessário, quanto escusado”.

E depois?

5. A associação Muralha não é “uma associação com opinião e com uma obrigação de intervir e alertar”?

Então, desde 2004, onde esteve ou para onde olhou a Muralha?

Há uns tempos – como o tempo passa! – uma outra Muralha abanou Guimarães por causa de uma construção na avenida D. João IV. Alguém se lembra? Por essa altura fez capa mais do que uma vez num jornal vimaranense de referência. Como me lembro! Fechei umas semanas seguidas a edição.

 

Os dias negros que aí estão II

jornaleconomico.sapo.pt

No Céu, se existir, não há risos. As coisas boas não dão vontade rir.

Ricardo Araújo Pereira, in A doçura, o sofrimento e a morte entram num bar

 

Depois daquela parva (e longa) maratona do Conselho Europeu que decorreu até altas horas na última sexta-feira de junho, ainda haverá europeus que acreditem na Europa?

Adoro a ideia de Europa – uma coesão territorial, social, solidária e sem fronteiras –, mas tenho medo ao futuro; do futuro que por aí vem. Os italianos – os políticos oportunistas e populistas, cada vez mais próximos de um tal de Benito –, estão felizes: mandaram às malvas a ideia de uma Europa coesa e solidária e obrigaram a que as palavras – vagas, sem conteúdo e evasivas –, finais do encontro lhe satisfizessem o ego. Os tipos – protofascistas de um Leste em pânico depois da invasão de uns tanques assassinos – ajudaram imenso às estapafúrdias vontades italianas.

Agora, e para mim é mesmo uma novidade nas palavras: temo pela senhora Merkel, pelo seu futuro politico.

Olha; olha! II

imagem: visao.sapo.pt

 

O mercado serve-se da ética para dar lucro, não para se autorregular.

Marta Mendonça, E, 18.06.30

 

O senhor Costa pode ser um benfiquista assim a modos que benfiquista, mas o seu governo gosta muito do verde; pelo menos (voltou) a permitir a manutenção – em subida – dos recibos verdes.

Caramba!

Então, no final do ano passado, “quando já estava em curso o programa de regularização da precariedade do estado, o número de prestações de serviços no setor público aumentou para 17.728”. (Público, 18.07.10)

Caramba!

Ai o governo do senhor Costa!