Que saudades do eucalipto mais famoso de Guimarães

Agora o futuro está em ruinas.

José Mário Branco, E, 18.06.16

 

Leio no jornal O Comércio de Guimarães (18.07.04) que a câmara de Guimarães “quer comprar terrenos no Cavalinho para travar construção em altura”.

Atchim!

Ele há coisas que só alguns têm acesso; tipo o impacto do eucalipto mais famoso de Guimarães, no futuro dos vimaranenses, que, apesar (ou talvez por isso) da altura –, tudo seca em volta…

Atchim!

Guimarães morrerá já a seguir; seca como os vazios saídos das bacocas vontades urbanizáveis. Com eucaliptos encrustados na paisagem mais bela sob o monte de Santa Catarina.

Anúncios

Vulnerável a choques

xbxcvzxc<z

As gerações mais novas são mais conscientes ambientalmente, são mais sofisticadas. O problema é que elas não estão no poder.

Pedro Santos Guerreiro, Expresso, 18.07.07

 

Espera lá!… preciso (mesmo) de mudar a graduação dos meus óculos ou li bem?

Luís Soares desautoriza vereador Seara de Sá no processo de requalificação do centro cívico da vila [de Caldas das Taipas].

Ó pá! Ainda não é já que terei que gastar uns troquitos no oftalmologista! Que bom! Isto está tudo tão difícil!…

Mas, sim! Li bem o texto inserido na edição de julho do jornal Reflexo; um texto com assinatura de José Henrique Cunha.

Caramba, senhor vereador do urbanismo na autarquia vimaranense!

Será o senhor o elo mais fraco para Luís Soares, o máximo responsável do PS em Guimarães?

 

Fruto amadurecido à pressa

 

 

foto: pressminho.pt

Para quê pensar se posso concluir?

Gonçalo M. Tavares, in Expresso, 18.06.30

 

Olha mais um tipo centralista! E a norte; porra!

Grande Porto quer avançar sozinho para a concessão da rede elétrica, leio no Jornal de Noticias (18.07.11).

Quando assim é! …

Os centralistas lisboetas ao pé de um tal de… – como se chama o burguês que tem a mania que manda no norte? – são umas damas de salão do tempo de Camilo.

Olha; olha!

foto: renascença.pt

Centeno cativou as operações de salvamento da geringonça?

o Inimigo Público, 18.07.13

 

Comentário de fim-de-semana: nós portugueses à deriva e espantados com o senhor Costa, sabemos lá o que nos reserva o senhor Centeno.

Ratos na sala de visitas?

Já escreveu de tudo o que sabia, e agora anda às voltas com tudo o que não sabe.

Ernest Hemingways, in Fiesta

 

Pelos vistos há ratos no centro histórico de Guimarães ratos! Mesmo ratos; roedores…

E a coisa parece ter dimensões dantescas; assim tipo aquele filme de 2006 ratos – invasão em Paris, de Charlotte Brandstrom. Já viram?

Imagine-se que até o ferreiro mais famoso do território vimaranense (e que passa os dias ali mesmo ao lado da praça de Donães), diz sofrer com a reprodução descontrolada dos bichanos que um certo sexo feminino abomina!

Caramba! Tanta ratice!

Ah! A senhora vereadora responsável pelos serviços urbanos e ambiente em Guimarães – leio na peça que a Elisabete Pinto assina na edição do dia de santo António de O comércio de Guimarães –, e depois de afirmar que “não esconde a preocupação e a existência do problema”, afirma que a autarquia vimaranense faz a desinfeção periodicamente. E eu acredito; acredito mesmo! Até porque depois de umas legionellas pequenitotas que ocuparam, de forma selvática e abusiva, certas fontes cá do burgo ninguém quer ratos no espaço público vimaranense, pois não?

Era o que faltava!

 

Uns sapatinhos rosa para fugir do hálito a alho

Quando as pessoas começam por concordar umas com as outras fico com medo.

Howard Jacobesen, in Ípsilon, 16.06.17

 

O grupo de trabalho que vai ajudar a refletir o futuro, perdão!, o apoio às artes em Portugal já tem corpo. E promete dar corpo às realidades (podia escrever dores diárias, mas hoje não quero escrever tal coisa!) da Cultura em Portugal.

E porque promete este grupo de reflexão?

É grande; enorme!

Heterogéneo; cheio de diferenças!

E de curta duração; tem que ter os TPC prontos até ao dia 28 de setembro! – ah! E as férias?

Até lá, vamos fruir – calma e serenamente – das realidades lindas que existem por aí.

Já reparamos que (quase) todas elas têm o selo, a marca fazedora do poder local, pois já?

 

Vou mesmo vender a alma ao silêncio

O riso dá tranquilidade e faz bem à alma.

Teresa Ricou, E, 17.11.25

 

Diz a empresa municipal vimaranense Vitrus, a empresa responsável por alguma recolha de lixo (e também outras responsabilidades menos ambientais) que “está na cidade”! ou “por uma cidade mais limpa”.

É mesmo nos seus veículos que tal afirmação percorre a cidade.

Fico confuso!

Vitrus na cidade?

E o resto do território vimaranense?

A Resinorte? Pois! Também faz recolhas na cidade.

Então qual é a linha vermelha da Vitrus?