Alma de uma casa

foto: João Porfirio (Sol)

O que me não maravilha são todas as insolências e as perversões que os poderes económicos praticam no mundo e as guerras que criam.

Pilar Del Rio, E, 17.04.22

 

Portugal mostra-se, sempre, um país simpático; acolhedor e solidário. E isso, caramba! é tão bom, não é?

Por isso, nos fóruns internacionais o nosso país é apontado como exemplo no que diz respeito ao acolhimento de refugiados. E aí fico feliz por ser português. Afinal a solidariedade lusa é uma marca que vem de longe!

Entretanto, o tempo passa, o mundo gira e a realidade vai-nos dizendo que dezenas de refugiados esperam pelo MAI [Ministério da Administração Interna] – (título do jornal Público, 19.01.11).

Parece que tais atrasos estão na mão do senhor Eduardo Cabrita, ministro com a tutela daquele ministério. É ele quem autoriza o estatuto de refugiado. E a coisa parece que não tem funcionado…

E eu a pensar que um governo de esquerda podia ser muito mais solidário, menos burocrata e prático e rápido nas ajudas às pessoas.

Anúncios