Lugares intensos

Infelizmente na nossa sociedade não existem lugares onde uma pessoa possa estar num sítio pensativo.

Alberto Mauguel, E, 18.04.28

 

os santos é que são finos!

achas que são felizes?

não acredito; não cozinham

não sou capaz de beber pelo copo de um santo. é sempre um sabor salgado.

que giro! com esse teu olhar levas-me a Pedro Santos Guerreio (Expresso, 18.18.12.15): parece ideologia e é. Parece dinheiro. Carreiras, condições de prestações de serviço e é. Parece mercado, concorrência, disputa entre estado e privados. E interesses de classes profissionais, de médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico, interesses políticos e partidários. É tudo isso.

Porquê?

Então os enfermeiros não são os santos da saúde?

Achas? Olha bem para estas palavras do diretor do Público (18.12.15): financiar greves com donativos não é apenas uma “subversão do direito à greve” e do que está “na génese desse direito”. É a mercantilização dos direitos laborais que abre portas desconhecidas. Um dia, arriscamo-nos a ver hospitais privados a financiar via crowdfunding greves nos hospitais públicos, portos galegos a pagar paralisações em Aveiro e Leixões, a têxtil da rua de cima a dar dinheiro a grevistas da têxtil da rua de baixo.

Pois é. Bem me dizia o meu pai que o génio da mentira sempre nasce em paixões reprimidas!





Anúncios