lugar para visitarmos; sempre

acedendo aos processos escuros de construção

de uma realidade – só entrará na cidade de teleférico!

é a cidade odiando quem declina os dias por cabos – apenas

turistas gozando a piada ao tartarear (ou será baloiçar?)

sobre a cidade

é noite. e a noite é de construir; continuar

como sempre: confiante no dever da memória; nós

em sintonia dolorosa com o exílio

quase nos matava. processos violentos!