Crise escrita na pedra

Uma religião que não pensa, ou que só pensa o já pensado cai no fundamentalismo e na violência.

Bento Domingues, Público, 18.07.30

 

Uma galinha para alugar – e levar à cabeça; à volta de um templo de adoração de inspiração católica – em Esposende custa dez euros.

Três voltas com um galináceo às costas (ou colo; se se passar debaixo do andor) é dinheiro de uma arrozada.

Caramba! Porque será que a igreja católica cultiva tantas crendices?

Qual santo; qual galinha preta!

Oportunismo em forma de cifrão (ou será euro?) de uns tipos que gozam solenemente com gente séria.