Um novo frio?

Era um corpo capaz de mover massas imensas – um corpo cruel

F. Scott Fitzgerald, in o Grande Gatsby

Fim de tarde quente; simpático na minha cidade. Uma esplanada bem junto da centralidade das festas citadinas; tão quentes em honra do santo da igreja católica Gualter. É tão bom sentir os sossegos lindos de quem descansa o corpo e – presume-se – o espírito!

Na mesa em frente ouço espantado: não te posso amar assim; merda! Estás pior do que há semanas quendo éramos apenas curiosos de nós.

Silêncio!

Não percebo; não entendo nada, não sigo o diálogo.

De repente: tu nunca foste um deus. Sempre foste um cabrão!

 

Já não tenho saudades daquela agitação citadina!, mas continuarei a minha leitura silenciosa ali – naquela esplanada, cada vez mais, memória distante.