o corpo e as artes

os corpos elevam-se, abraçam-se – em perdição

cilíndrica. e o sol nasce mais forte. mais intenso; pronto

a devolver energias perdidas quando

 

os corpos abraçam a perfeição do instante

o silêncio entra em contagem manométrica, construtiva

prontos a calar todas as bulhas e forças perdidas

 

corpos, unidos na perfeição, rumam

ao universo! renascem vigores perdidos

quando os corpos se abraçam nasce a luz

 

perfeita, justa. pirâmide iniciada

na arte eterna