Eis-nos; então no fim

foto: EPA/HARISH TYAGI

Para provar a si próprio a inexistência de Deus, ele estava agora no meio da sala de jantar no hotel mais famoso da cidade, com os porcos a caírem-lhe da boca para fora

Salman Rushide, in Versículos Satânicos

Ups! Que caos!

Ilha de plástico do Pacifico tem 17 vezes o tamanho de Portugal, título do jornal Público, 18.03.23

Num trabalho com a assinatura de Teresa Serafim ficamos com mais uma preocupação sobre os dias destruidores que aí vêm: “grande mancha de lixo” que povoa o oceano Pacifico “é um a ilha em que não se pode andar” porque é “toda feita de plástico flutuante”. Uma ilha que prende e mata as espécies animais e, nas suas ínfimas partículas, já começou a entrar na cadeia alimentar. Os humanos, os mesmos humanos que criaram o plástico, vamos morrer pelo plástico. E não é só por causa das partículas das garrafas por onde os humanos bebem a água (cada vez mais poluída). E sim porque o plástico asfixia.

Umberto Eco é que tinha razão, pouco tempo antes de nos deixar, quando manifestava publicamente a sua preocupação com o plástico.