Sem mãos a medir

Em Guimarães, o extraordinário bairrismo ainda permite que o estádio se encha para ver jogar o Vitória, mas é um fenómeno raro. Pelo país há cada vez mais quem se afaste e que acompanhe este processo de autodestruição em que o futebol simplesmente deixa de o ser.

Eliseu Sampaio, editorial, Mais Guimarães, 17.08.08